Seja bem vindo ao nosso site Rádio Divina Vontade!

Brasil

APOCALIPSE POR MARIA VALTORTA ? PARTE 3 ? VIGIAI E ORAI!

Mas Deus, ao dar as almas àqueles sacerdotes

Publicada em 05/03/2022 às 09:16h - 131 visualizações

Link da Notícia:
Compartilhe
   

APOCALIPSE POR MARIA VALTORTA ? PARTE 3 ? VIGIAI E ORAI!

APOCALIPSE POR MARIA VALTORTA – PARTE 3 – VIGIAI E ORAI!


Mas Deus, ao dar as almas àqueles sacerdotes, escribas e fariseus que se opusessem à sua Palavra a ponto de fazê-lo morrer na cruz, não criei almas especiais de deicidas, cruéis, injustos, gananciosos de poder ou falsários. Não. Acredito para eles almas em um todo igual às de todos os homens. Iguais por criação, tornando-se mais tarde também iguais pela injúria do Pecado Original, assim como a Lei e a Revelação eram iguais para todo o Israel e igualmente iguais no gozo da liberdade de arbítrio que tinham os superiores e os inferiores. Mas havia muitos no templo e nas sinagogas em quem a justiça estava declinando, o templo sagrado foi transformado em “covil de ladrões” (Mateus-Marcos-Lucas) e os hipócritas tornaram-se descendentes dos hassideanos. Os descendentes degenerados dos Hassideanos. Porque eram homens de alta e autêntica moral, de total fidelidade à Lei e à doutrina de Moisés, de nobres sentimentos de amor patriótico pelos quais souberam lutar e morrer para salvar o melão dos enganadores e corruptores. Pelo contrário, os fariseus eram rígidos apenas porque eram fortes, enquanto dentro e nas sombras eram “sepulcros caiados cheios de podridão” e embora se considerassem “separados” do resto, não o eram exatamente porque tinham além do pecado. E, como eles, Foram eles os escribas que distorceram e impossibilitaram a prática da Lei, sobrecarregando-a com tradições acrescentadas por eles. É assim que suas almas podem se tornar deicidas e sua liberdade, essa liberdade que Deus lhes deu, eles usaram para matar o Filho de Deus. Mate o Filho de Deus! Caluniá-lo! Apresente-o pelo que não era. Mas, esse pecado é exclusivo daquela época? Não, mas agora esse pecado também ocorre. E embora a mão não seja levantada diretamente para esbofetear, torturar e matar Cristo, ela é levantada acima Dele, presente em Seus servos. Porque é também agora Jesus quem sofre nos perseguidos, sejam quais forem as perseguições que sofrem. Saulo de Tarso não matou pessoalmente os cristãos, mas “aprova seu assassinato” (Atos 7, 56) e “devastou a Igreja, entrando nas casas e levando os homens e mulheres que ele havia aprisionado” (Atos 8:3).

Foi um Anticristo ativo que, mais tarde, seria o Apóstolo e o Vaso de eleição, aquele que deveria combater com perfeição singular o Anticristo presente sem perder tempo nas várias regiões em que as igrejas de Jesus surgiram. Mas enquanto ele estava indo para Damasco “suspirando ameaças e morte contra os discípulos do Senhor” forneceu “cartas para as sinagogas de Damasco com as quais ele poderia levar tantos da fé que ele encontrou detidos para Jerusalém” (Atos 9 ,1-2) O que aconteceu com ele? O encontro com Cristo perto de Damasco. E o que Cristo disse a ele? Por acaso ele lhe perguntou: “Por que você persegue meus servos?” Não, mas ele lhe disse: “Por que você está me perseguindo?” Jesus foi o perseguido. É Jesus quem sofre a perseguição em seus servos, pois neles está e sua Paixão continua neles. E quem persegue um servo de Deus, um filho adotivo de Deus e irmão de Jesus, fere igualmente o Verbo do Pai, o Filho Unigênito do Pai, Jesus que, como Deus, está no Pai e nos verdadeiros cristãos.  Pecado isso só agora? Não, mas para sempre. E nem sempre aqueles que perseguem os servos de Deus e os irmãos mais amados de Cristo são anti-cristãos dos mais variados golpes – mas muitas vezes a perseguição vem de quem deveria ajudá-los; daqueles que, por orgulho, não querem que outros, “os mais baixos”, subam até onde não chegaram; daqueles que, sendo mornos, não conseguem entender como os outros são chama fundida com a Chama: espírito do homem feito chama pela caridade de Cristo e por Cristo, feito uma coisa e um fogo com o Espírito de Cristo; daqueles que não se lembram bem ou não entendem bem um dos mais belos hinos contidos no Evangelho: “Glória a Ti, Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste a eles. “pequeninos» (Mateus 11,25; Lucas 10,21); e; finalmente, daqueles que “por causa de significados pessoais ou desejo de presentes” (Deuteronômio 16,19) ficam cegos e carecem de justiça. Erros inerentes à fraqueza do homem que, por mais que se cubra com as vestes sagradas, continua sendo «homem». Erros que levaram a servos de Deus às chamas e às prisões e que, hoje, colocam correntes, ainda que não sejam correntes materiais, são certamente sempre cadeias: à dupla liberdade do servo individual escolhido por seu Senhor, à liberdade do homem que, mesmo quando não pratica atos que vão contra o sentido da lei do Estado e contra seus semelhantes, é sempre sagrado e contra a liberdade especial do servo de Deus que quer servi-lo como Ele o exige. Antes, muito antes de Jesus, a voz dos profetas predisse que os povos que não conheciam o Senhor se tornariam “seu povo” em vez daqueles que não queriam reconhecê-lo. Jesus, por muitos séculos, adverte mal os seus que «os gentios superariam muitos deles em justiça». E deu-lhes um exemplo de como tratar gentios e pecadores para conduzi-los ao Caminho, à Verdade e à Vida. No entanto, os próprios Apóstolos, sendo ensinados diretamente pela palavra e exemplo do Mestre, por causa de seu orgulho ressurgente em ser “hebreus”, eles hesitaram em lidar com os gentios. A exemplo de Pedro com o centurião Cornélio (Atos 10), para que todos entendam como o orgulho pode impedir a conquista das almas ou permitir que não acessem a Vida. E Deus teve que intervir com um milagre para persuadir o Apóstolo de que “Deus não faz distinção entre as pessoas, mas em qualquer nação ele é aceito por aqueles que o temem e praticam a justiça” (Atos 10:34-35). Jesus e antes Dele os Profetas falaram claramente sobre a condição de Cristo. E, no entanto, quando chegou a tarde de quinta-feira, por mais que se tenham fortificado com a purificação e a Eucaristia ministrada pelo Eterno Pontífice, eis que a fraqueza humana, que não desaparece com a consagração, os faz fugir assustados e envergonhados e, mesmo negar. E o próprio Pedro, sucessor de Jesus no governo da Igreja, é quem o nega e, mais tarde, embora tenha sido investido repetidas vezes pelo Espírito Santo, não teve o devido entendimento com seus irmãos no exercício sacerdotal. , mostrando-se fraco a ponto de adotar dois modos de vida (Gálatas 2, 12) por medo de censura ou inimizade. 

O homem nunca deixa de ser homem. «Como recém-nascidos» (P Pedro 2,2) que anseiam pelo puro leite espiritual para crescer e se tornar «raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de Deus», assim Pedro, de homem tornado santo, heroicamente santo, cada vez mais santo, tornando-se verdadeiramente, através do trabalho assíduo, “outro Cristo”. Como foi Paulo, “o homem” em quem a lei da carne (Romanos 7, 23) lutou contra a lei do espírito; o homem que, tendo sido arrebatado. o terceiro céu, até provou as bofetadas do anjo de Satanás, o estímulo da carne (2 Coríntios 12,7). Como “homens” foram igualmente tantos outros servos de Deus, mártires de si mesmos e finalmente abençoados por terem vencido a si mesmos e terem sido regenerados em Cristo. “Quantas vezes terei que perdoar?” Pedro perguntou a Jesus um dia. E ele respondeu “Setenta vezes sete”, ou seja, um número ilimitado de vezes, pois Jesus sabia que o homem, mesmo regenerado pela Graça, nutrido com a Eucaristia, confirmado na Graça pela Confirmação e até elevado ao Sacerdócio, continuaria sempre a ser «homem», aquele que precisa de compaixão e perdão por sua propensão ao erro. E logo, por orgulho ou tibieza, surgiram divisões e heresias dentro da Igreja. E há os gnósticos, os nicolaítas, os simoníacos e os belemitas. E depois os antipapas, o triste momento da corte pontifícia em aviação e o mais triste ministério de nepotismo e o quanto estava relacionado a isso. A Igreja, estrela perene, tem, como toda estrela, suas fases, e sendo uma chama que não se apaga, tem, como toda chama, suas alternativas de chama viva e semi-extinta.

 Mas desde Jesus, sua Cabeça e o Espírito Santo, sua Alma, são eternos e mais perfeitos, como eternos e infinitos são seu poder e sua vontade, de modo que Ela pode ter fases momentâneas de decadência e fraqueza; mas não pode cair completamente ou desligar-se completamente, antes, depois de uma dessas fases, como uma pessoa afligida por um torpor e revigorada por um remédio poderoso, Ela a leva acordada e vigorosa a seu serviço e sua admirável missão universal, sendo notável que, precisamente, o que era doloroso contemplar Nela —relaxamentos momentâneos ou perseguições de seus inimigos— tornou-se a causa de uma nova fase ascendente sua. Aqueles que são tão inclinados ao orgulho, amigos de criticar e julgar a todos, exceto a si mesmos, dirão depois destas palavras: “Como Ela é sobrenatural, Ela não pode diminuir em sua perfeição”. Isso será dito pelo primeiro. E estes dirão por sua vez: “Se fosse como eles querem dizer que é, seria perfeito em todos os seus membros e ainda…” e citarão casos e casos mais ou menos verdadeiramente condenáveis; e digo verdadeiramente porque às vezes uma coisa pode não parecer boa quando na realidade é. E ambos estarão errados porque a Igreja é, sim, uma sociedade ou congregação de membros escolhidos, regenerados pela Graça do Batismo, confirmados e aperfeiçoados pela virtude e dons da Confirmação, nutridos pela Eucaristia, purificados pela absolvição na Penitência, assistidos em sua nova missão como esposos e procriadores no Matrimônio ou no outro como pastores de almas nas Ordens Sagradas. E, por outro lado, a Igreja, como Corpo Místico, é santa em sua Cabeça, em sua Alma, em sua Lei, em sua doutrina e em muitos de seus membros. Isso é verdade, porque os membros inferiores não devem ser desprezados e muitas vezes “os membros que parecem mais fracos são os mais necessários” (Coríntios 12:22) porque com sua vida humilde, santa, oculta, vivida e oferecida para cada sociedade cristã contribui ao aumento dos tesouros espirituais de todo o Corpo Místico e também porque “Deus dispôs o Corpo de modo a dar maior honra aos membros que dela carecem” (P Coríntios 12,24). Em outras palavras, Ele freqüentemente atrai santificadores daqueles que por ação e exemplo conduzem inúmeras almas a Deus, daqueles que são “os mais insignificantes” no Corpo Místico, sem graus ou ordenações, mas ricos em santidade, identificados com Cristo em todos os seus atos. Sim, a Igreja Como sociedade de fiéis que verdadeiramente o são, ela é santa por meio de sua santíssima Cabeça e a santidade que desce da Cabeça e circula por todos os seus membros jamais se esgotará totalmente. Mas nem todos os membros são santos, pois o homem, por mais católico que seja, é homem e continua sendo homem mesmo que pertença à Igreja em qualquer de suas partes. 

Quando há muitos membros que se tornaram um “homem racional” e não um “homem divinizado”, então a Igreja vive um período de prostração do qual ela ressurge depois porque ela mesma entende que é necessário levantar-se para enfrentar o exterior e inimigos externos, interiores, os inimigos manifestos que trabalham abertamente a serviço do Adversário e do Anticristo, e os inimigos sutis que quebram o edifício da fé e, conseqüentemente, a caridade fria, querendo aplicar uma nova versão aos mistérios e maravilhas do Deus através daquelas “profundezas de Satanás e do espírito do mundo” das quais já falei. Não digam aqueles que são tão dados ao orgulho: «A Igreja não pode chegar a isso porque • sempre será Santa». É dito, tanto pela palavra divina falando pela boca dos profetas como pela palavra divina do Pai encarnado falando aos seus eleitos, que grandes abominações, como a inveja, e abominações horríveis, como a adoração de ídolos humanos, virão ao Templo (sendo uma delas a ciência desprovida de sabedoria) e a perversão com a adoração do que não deve ser venerado” (Ezequiel 8,1-17) e que, “Uma vez que Cristo foi morto e não é mais o seu povo que Ele o negará, a cidade e o santuário serão destruídos por um povo que chegará e cujo objetivo será a devastação. E, terminada esta, virá a desolação decretada… menos as hóstias e os sacrifícios, instalando-se no templo a abominação da desolação que durará até o fim» (Daniel 9, 26-27) e , como confirmação direta pela Palavra das palavras de seus arautos, os profetas: «Quando virdes a abominação da desolação no lugar santo… então a tribulação será grande, como nunca foi desde o princípio dos tempos .. … e depois da tribulação… zelar pelo Filho do Homem» (Mateus 24:15-21-2) e 30). 

E o resfriamento da caridade em muitos corações será um dos sinais precursores do fim (Mateus 24:12). Ele virá como está dito. Abra seus olhos espirituais para ler as previsões do Céu! Se você os abrisse, você leria a verdade e veria quais são os verdadeiros sinais do fim e como ele já está em ação. Para Aquele que é eterno, um século é menos que um minuto. Portanto, não se diz o que acontecerá amanhã. Mas embora o caminho ainda deva ser longo até que tudo se cumpra, o que aconteceu até agora indica para você que o trecho final já começou. As grandes abominações: inveja entronizada onde só deveria haver caridade fraterna; o amor excessivo pela ciência humana onde só haveria um amor fiel à Sabedoria, fonte de Revelação; os compromissos entre o que fornece a utilidade terrena e a utilidade sobrenatural para alcançar a utilidade imediata; Cristo que é morto em tantas almas e o fato de que a maioria de seu povo negou seu Salvador, estes constituem os elementos preparatórios. Despreza “o povo por vir” para devastar. Outro profeta disse: “Quando o povo do norte… Um grande tumulto das terras do norte… Eis que vem do norte… (Jeremias 6,22; 10,22; 50,41). Ambas as previsões são tão claras que, para entendê-las, basta levantar os olhos, saber ver e querer ver. E o que é que vai devastar? Ah, não só prédios e territórios, mas principalmente fé, moral e almas. E nem todas as almas devastadas serão almas comuns. Sacrifícios e hóstias diminuirão, pois não haverá mais liberdade de culto, temendo que muitos sejam presos por isso. Neste momento, mesmo que a devastação e a perseguição ainda não estejam em vigor, há muitos que negam a vida que escolheram porque a abominação se espalha como erva pérfida e a caridade esfria enquanto os falsos profetas de quem ele fala se levantam. Cristo no capítulo 24 de Mateus e no capítulo 20 da 2ª epístola de Paulo aos Tessalonicenses. Por enquanto, apenas esses. Mas depois virá aquele a quem eles precedem: o Anticristo para quem eles teriam preparado o caminho enfraquecendo a caridade, assim como o Batista preparou o caminho para Cristo exaltando a caridade de que estava cheio, «11 mais do que o Espírito Santo desde o ventre de sua mãe» (Lc 1,15) como meio indispensável para poder unir-se a Cristo e viver a vida de Deus. (Sobre os ensinamentos do Batista sobre caridade, veja Lucas 3:10-14). Na verdade, a caridade é o vínculo que mantém a comunidade católica unida a Deus e aos irmãos. Nela e por ela persiste a união que constitui o alimento das almas, a sua santificação e a de cada vez novas almas. Se a caridade falha, o amor próprio toma o seu lugar, sendo esta a diferença entre os dois amores. amor verdadeiro e santo, ordenado e aconselhado por Deus, é uma busca de Deus, reconhecimento de sua onipotência visível em todas as coisas e elevação a Deus. Tudo serve para esta elevação àqueles que têm em si a caridade que é misericórdia ativa para todas as necessidades do próximo, porque em cada próximo a caridade nos faz ver um irmão que sente Jesus nele, Jesus que sofre com os outros. doente, o perseguido ou também porque sei que um filho do Pai está se tornando um filho pródigo que sai da casa do Pai para ele em busca de um falso bem-estar e sofre igualmente porque há quem duvide que ele tenha um bem-estar muito bom Pai para que você não caia no desânimo ou no pecado. O amor-próprio, por outro lado, é uma busca de si mesmo, é um amor sucessivo por si mesmo, é uma ação realizada para se glorificar aos olhos do mundo. E, daqui nascem a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida; e desta planta de três ramos brotam mais tarde a vanglória, a dureza de coração, a arrogância, o frenesi de louvor humano, a hipocrisia, o espírito de dominação e a persuasão de saber guiar-se, rejeitando todos os mandamentos ou conselhos. falam em nome do Amor. Acreditam-se livres e reis porque, em sua opinião, não há ninguém melhor do que eles, pois sempre, segundo eles, já estão consolidados nos cumes do saber e do poder. Pelo contrário, são escravos, o que ninguém é, por si mesmo, do inimigo de Deus. Escravos, servos, nus e cegos. Escravos de si mesmos e servos ou escravos do inimigo de Deus. Nua de vestidos ornamentados, dos vestidos das núpcias com Sabedoria, dos vestidos cândidos para o convite dos céus e continuar regando após o Cordeiro. Cegos ou pelo menos míopes por terem desperdiçado a visão em pesquisas humanas inúteis. Chegam a isso renunciando ao seu direito de primogenitura, isto é, à filiação mais elevada, a de Deus, por um pobre prato de lentilhas, comida terrena. E a substituição da sabedoria, das obras sobrenaturais e, sobretudo, da Grande Revelação, que deve ser aceita e crida sem restrições, é uma canja de lentilhas. É uma sorte substituir isso por livros científicos que, por mais perfeitos que sejam, são sempre livros escritos por um homem. Talvez pareçam mais claros e, sem dúvida, mais compreensíveis para quem só sabe ler a carta ficando na superfície das coisas, para quem, devido ao seu próprio peso, eles não podem ir mais fundo; mas não transformam o homem, não o levam ao topo. Os livros inspirados, por outro lado, aqueles livros de que Deus é o Autor, são meios de transformação e elevação, de união em Deus e com Deus para quem sabe lê-los. 

Tudo o que vem de Deus é meio de elevação, de transformação e da união mais íntima com Ele. Os mesmos milagres, de outra natureza, milagres de cura de corpos e espíritos, estes acima de tudo, são meio de transformação e união Com Deus. Quantos incrédulos ou pecadores poderiam se tornar crentes e serem redimidos pelo prodígio de um milagre! O milagre não deve ser negado em atenção ao racionalismo: nem o milagre da Criação nem o da cura de uma alma ou de um corpo. A matéria foi tirada do nada e ordenada a seu propósito específico por Deus. Uma alma morta ou uma alma afligida por uma doença espiritual incurável foi curada por Deus por este ou aquele meio; mas sempre para Deus. Um corpo condenado a morrer pode ser curado por Deus. sempre para Deus, não importa o quanto ele use uma aparição ou um homem justo para converter e curar um espírito, ou da confiança particular em um santo para curar uma carne. Que os racionalistas não conseguem ver. Grande coisa é a razão. É uma grande coisa ser uma criatura racional; mas coisa maior é o espírito. E a maior coisa é ser uma criatura espiritual, isto é, saber que tem um espírito que deve ser colocado em primeiro lugar como o rei de si mesmo e como a coisa mais eleita de todas. Porque se a razão ajuda o homem a ser homem e não bruto, o espírito, sendo rei de si mesmo, faz do homem o filho adotivo de Deus, dando-lhe semelhança com Ele e permitindo-lhe participar de Sua Divindade e Seus bens eternos. O espírito, portanto, deve prevalecer sobre a razão e sobre a carne ou a humanidade e não o racionalismo que nega ou pretende explicar o que deve ser acreditado pela fé e isso, explicando-o; ou melhor, ao tentar explicá-lo, o espírito é ferido e a fé é igualmente lesada, se não morta. Conheça os racionalistas. Jogue fora as lentes opacas dos racionalistas, pois elas não lhe servirão antes de fazer você perceber verdades alteradas, o mesmo que acontece com uma lente não ajustada ao olho enfraquecido, que serve apenas para ver ainda pior. Aquele que se inclina para o racionalismo já é aquele que tem sua visão espiritual enfraquecida. E quando ela o abraça mais tarde, ela então coloca um par de óculos mal ajustados em sua visão falha, acabando por enxergar completamente errado. Saber ver, ver bem e ver o Bem. Ver Deus em sua obra contínua e perfeita mantendo a Criação que veio à vida por sua Vontade e devolve saúde e vida onde a morte já é certa. Aqueles que pretendem explicar a criação e a vida como autogênese ou poligênese, como podem negar que o Todo-Poderoso pode agora fazer menos do que fez no início, criando sem sequer matéria, mas apenas caos e depois apenas coisas limitadas? i, É lógico, puramente lógico e racional, que se possa admitir o milagre do caos que se ordena e se gera a célula, desenvolve-se como espécie e esta espécie em outras cada vez mais perfeitas e numerosas, ao mesmo tempo. é sustentado que Deus não poderia fazer toda a criação por Si mesmo? i, É lógico e racional tomar como certa a evolução das espécies, ou melhor, de ” certa espécie até atingir a forma animal mais perfeita por ser dotada de fala e razão, ainda que apenas com essas duas qualidades, quando se constata que, há milênios, não houve criatura animal que tenha adquirido razão e palavra apesar de sua coexistência com homem? Todo animal, por milênios, é como foi feito. Haveria reduções estruturais, teriam sido feitos cruzamentos pelos quais raças híbridas seriam obtidas das raças inicialmente criadas; mas, por muitas vezes e milênios que se passaram, nunca se viu que o touro deixou de ser, nem o cachorro, por séculos e séculos de convivência que manteve com o homem. Tampouco se viu que os macacos, com o passar dos milênios e seus contatos com o homem de quem, certamente, podem imitar seus gestos, mas não aprender a falar, caso se tornem homens ou, pelo menos, homens-animais. São as mesmas criaturas inferiores que, com a evidência dos fatos, negam as elucubrações dos cultivadores da ciência puramente racional. O que eles foram, eles são, testemunhando a onipotência de Deus com a variedade de espécies que, aliás, não evoluíram, porque como eram continuaram a ser: com seus instintos, suas leis naturais, sua missão particular que nunca É inútil por mais que possa parecer. Deus não faz obras imitáveis ??e totalmente prejudiciais. Até o próprio veneno das cobras é doentio e tem seu ancinho de ser. Saiba como ver os racionalistas. Livrem-se das lentes do racionalismo e vejam à luz de Deus através do Verbo divino que falou pela boca dos patriarcas e profetas do tempo antigo e pela boca dos santos, místicos ou contemplativos do novo tempo, para quem sempre um Único Espírito revelou ou lembrou coisas ocultas e passadas que foram mudando em sua verdade à medida que passavam de boca em boca. Veja acima de tudo através do Verbo encarnado e Luz do mundo: Jesus, o Mestre dos mestres, que não mudou nem um pingo da Revelação contida no Livro, antes, sendo Ele a Onisciência e a Verdade que Ele sabia tudo em sua verdadeira plenitude, não só ele a confirmou, mas, retificando o sentido desviado talvez pela arte dos rabinos de Israel, ele a devolveu à sua forma primitiva que é a única verdadeira. Querer acrescentar ao que a Sabedoria revelou, a Tradição transmitiu e a Palavra confirmou e explicou, é acrescentar o ouropel ao ouro. Não são os elementos da ciência que abrem as portas do Reino dos Céus, mas as moedas de ouro da Fé nas verdades reveladas, as moedas de ouro da Esperança nas promessas eternas, as moedas de ouro da Caridade praticada porque se acredita e se espera; aqueles são os que proporcionam aos espíritos dos justos segundo a carne e aos espíritos dos justos seu lugar na eterna Cidade de Deus. Nunca será suficiente dizer que a ciência é palha que enche mas não nutre, que é a fumaça que ofusca mas não ilumina e que • enganar com fé e esperança é um veneno espiritual – que mata e engana que dá fruto de falsos profetas de um novo verbo e de novas teorias que não são nem verbo divino nem doutrina divina. Por outro lado, onde não há o que foi dito acima, o que está ali parece vivo, mas é. morta. Ou seja, quem tem apenas a aparência do que deveria ser, é em tudo semelhante a uma estátua bonita e bem adornada, mas que é insensível e não pode comunicar aos outros a vida que não possui. Bocas que falam porque não podem calar, mas que não convencem porque suas palavras carecem desse poder de convencimento. Como eles vão convencer se eles mesmos não estão convencidos? São instrumentos mecânicos que falam com eloquência, mas sem alma. Sempre existiram esses. Eles são a vocação errada. Entusiasmado no início, lentamente se desvaneceu mais tarde, sem coragem para recuar. Melhor um pastor a menos que um pastor que parece estar vivo quando, na realidade, está morto em seu espírito ou prestes a morrer. Seu lugar poderia ser ocupado por alguém que estivesse vivo para comunicar a vida. Mas o falso, o mais falso dos respeitos humanos os impede de confessar abertamente: «Já não sou capaz e retiro-me». Sempre houve. Judas de Keriot é seu protótipo. Teria sido melhor para ele se aposentar do que não ficar e chegar ao crime supremo. Seu lugar poderia ser ocupado por alguém que estivesse vivo para comunicar a vida. Mas o falso, o mais falso dos respeitos humanos os impede de confessar abertamente: «Já não sou capaz e retiro-me». Sempre houve. Judas de Keriot é seu protótipo. Teria sido melhor para ele se aposentar do que não ficar e chegar ao crime supremo. Seu lugar poderia ser ocupado por alguém que estivesse vivo para comunicar a vida. Mas o falso, o mais falso dos respeitos humanos os impede de confessar abertamente: «Já não sou capaz e retiro-me». Sempre houve. Judas de Keriot é seu protótipo. Teria sido melhor para ele se aposentar do que não ficar e chegar ao crime supremo. 
“Aquele que, depois de ter posto a mão no arado, se torna eira, não é apto para o Reino de Deus”, disse o divino Mestre. E quem não está apto é melhor do que. retirar para não estragar muitos, desatar fofocas em muitos mais e causar escuridão) o Sacerdócio com seu escândalo. As pessoas generalizam e veem o mal com mais facilidade do que o bem. Quando eles estiverem convencidos de que estão mortos para a minha pele, deixe-os recuar; mas que não dêem origem a julgamentos generalizando e prejudicando toda a classe. Os ramos destinados a fornecer seiva aos frutos, se ficarem estéreis, devem ser cortados porque, além de inúteis, roubam o vigor da planta que serviria apenas para se enfeitar com folhagem pomposa e efêmera. Sempre houve nas coisas criadas perfeitas por Deus uma parte que não conseguiu permanecer assim. A primeira deserção ocorreu no exército angélico e é um mistério impenetrável como isso pode acontecer em espíritos criados na graça que viram Deus, conheceram sua Essência e Atributos, bem como suas obras e projetos futuros. Simplesmente se rebelaram, não souberam permanecer em seu estado de graça e, de espíritos de luz que viviam na alegria e no conhecimento sobrenatural, tornaram-se espíritos das trevas que vivem no horror. A segunda deserção foi a dos Progenitores e isso também é algo inexplicável. Como pode ser que dois inocentes que desfrutaram dos inúmeros benefícios de Deus e, pelo seu feliz estado de graça e outros dons que lhes permitiram conhecer e amar a Deus como nenhum outro homem — com exceção do Filho do Homem e sua Mãe por ser cheio de Inocência e Graça — pôde ouvir e obedecer ao tentador e preferi-lo ao invés de ouvir a voz de Deus que amorosamente os ensinou e exigiu apenas uma única obediência? Obediência da moda porque eles não precisavam colocar as mãos naquela fruta para satisfazer completamente todos os seus apetites. Eles tinham tudo. Deus o fez rico em tudo que você precisava para ser feliz, saudável no corpo e no espírito. Simplesmente, rebelaram-se, desobedeceram, não souberam conservar o seu estado de graça e, de criaturas que viviam na alegria e no conhecimento sobrenaturais, tornaram-se infelizes no espírito, no coração, em sua mente e em seus membros; estes cansados ??pelo trabalho, suas mentes amedrontadas pelas dificuldades do amanhã imediato e do maná futuro e eterno, seus corações partidos pelo assassinato de um filho e a perfídia do outro e seus espíritos desanimados, então envoltos na caligina de culpa que os impediu de compreender o conselho amoroso do Pai Criador. A terceira grande, misteriosa e inexplicável deserção é a de Judas de Keriot que espontaneamente quis pertencer a Cristo, desfrutou de seu amor por três anos, foi nutrido por sua Palavra e, desapontado em seus sonhos concupiscentes, vendeu-a por trinta denários, de ser apóstolo, isto é, de ser escolhido para a mais alta dignidade espiritual, a trair o Amigo, ao deicídio e ao suicídio. Esses são os principais defeitos. Mais, embora menor, sempre há porque o homem nunca deixa de sê-lo e porque o que é criado nunca é eternamente perfeito como o Criador é, exceto no Reino dos Céus, onde só os espíritos confirmados na graça e não mais sujeitos ao pecado têm sua morada; e se o Filho do Homem é igualmente exceção junto com sua Mãe. O primeiro porque ele era o Deus-Homem e, portanto, sua Pessoa de Deus estava unida à sua pessoa como Homem, unindo assim suas perfeições divinas às humanas. E a segunda porque, aos dons extraordinários com que Deus a encheu desde a sua concepção, ela retribuiu com uma boa vontade e uma fidelidade que beirava uma altura que nenhum santo jamais alcançou ou jamais alcançará. E o fato de o homem às vezes ser imperfeito não constitui culpa imperdoável. Deus é ao mesmo tempo Misericórdia e Paciência. Ele espera o arrependimento daquele que erra e perdoa se o arrependimento for sincero. Assim, o homem que cai pode reerguer-se tornando-se justo de novo, ou melhor ainda, pode tornar-se ainda mais justo do que antes, porque, percebendo sua fraqueza, seu próprio orgulho pode ser menor e sua misericórdia para com seus semelhantes maior. com homens. Deus sabe tirar o bem do mal quando o homem não recusa seus convites e conselhos e os de seus outros irmãos que são mais santos do que ele. Mas quando vê o homem teimoso em suas imperfeições, presa de um quietismo que não o faz fazer o bem ou o mal, de um quietismo que faz o ‘cal que parece vivo mas está morto e com esse jeito de ser é a causa da morte e fraqueza de muitos, então Deus vem a ele “como um ladrão cuja hora não é conhecida” (Apocalipse 3, 3). O Mestre disse aos seus seguidores: «Escolha seu lado e vigiai e mantenha as lâmpadas acesas em suas mãos». Ele não disse: “Descanse, durma, porque você já foi eleito e tem um cargo garantido». O servo de Deus é um operador e quer que opere ao longo de sua jornada terrena. E tanto mais tem que operar os dons mais especiais e amorosos que recebe de Deus. “De quem muito será exigido, muito será exigido” (Lucas 12:48). E deve operar seguindo o exemplo do Mestre, exemplo de paciência, misericórdia e amor incansável. Porque, como gostaríamos que Deus medisse nossas próprias fraquezas, devemos fazê-lo com a mesma medida com os outros para não incorrer no rigor de Deus por ter medido os outros com rigor. “Com a medida que você usar, você será medido, e mais do que isso” (Marcos 4:24). Por outro lado, ainda há pouca virtude, praticada heroicamente, ainda que com fidelidade à Palavra da própria parte ou trabalhando para que outros sejam ou se tornem fiéis e constantes em confessar o Nome do Senhor mesmo diante deles. zombadores ou inimigos do catolicismo. Não dos perseguidores, mas do contrário, desviados e ignorantes desse Nome e de Quem o leva. Quantos há que pertencem à “Sinagoga de Satanás” (Apocalipse 3:9) ou ao mundo por não serem instruídos na Verdade! Instruídos com paciência e amor segundo o espírito do Evangelho, do seu Autor: Jesus e do seu Guardião e Dispensador: a Igreja Romana. Almas que estão na escuridão, mas instintivamente tendem para a Luz. Almas que estão no erro de um culto ideológico ou separado, mas que tendem instintivamente para a Verdade. Almas que, por sua própria natureza, tendem para o Bem e, portanto, pertencem, embora sem o saber, à alma da Igreja e para as quais bastaria uma mão, uma palavra, uma ajuda apostólica fraterna para se tornarem membros vivos do Corpo Místico e adoradores do verdadeiro Deus. Agora, sendo verdade que quem salva ou dá vida a uma só alma, salva a sua, dando-lhe o prêmio da Vida eterna; e, como Deus conhece infinitamente aquele que lhe dá um filho, é igualmente verdade que Deus perdoará muitas coisas àqueles que conseguirem fazer muitas almas entrarem pelos caminhos do Senhor —os caminhos que conduzem ao Céu—, tendo aberto a porta da misericórdia, verdade e sabedoria, que é o Evangelho, para que todos os que, a convite do ministro de Deus, quiserem entrar, tenham facilidade em fazê-lo. Deste exame e confronto entre as sete igrejas da época e o estado atual de várias religiões e igrejas emergem a advertência e o convite a não deixar morrer a caridade; não seguir doutrinas humanas semelhantes às de Balaao, que são fonte de escândalo, embriaguez e fornicação espiritual para os pequenos porque são “escândalos”, e para os grandes pelas outras duas razões; combater todos aqueles que têm comércio ou práticas pessoais e atos obscuros, fornicando com os poderes do mal e da mentira e nutrindo-se com o alimento mental sacrificado ou oferecido aos ídolos de uma ciência e curiosidade impuras; livrar-se do quietismo e voltar a viver para dar vida; fortalecer a virtude fraca trabalhando com todas as forças que se tem para levar os outros ao conhecimento de Deus e do evangelho e, conseqüentemente, à virtude para que os salvos proclamem o Pai do céu e de todos os homens por seu salvador; queimar para queimar; esplender para iluminar e se livrar do que é concupiscência, mesmo que seja apenas de riqueza, poder, saúde e conforto humano tranquilo, para se revestir de coisas sobrenaturais e assim ser livre e sem obstáculos para o trabalho apostólico. Assim, aqueles que quiseram se tornar santos, superando todas as coisas contrárias à santidade, receberão o “novo nome”, se referirão à “árvore da vida” e ao “manso oculto”, serão vestidos com “roupas brancas” 
 
Compartilhe a Divina Vontade
  •  
  •  
  •  



ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Agenda
01/03
EM BREVE SANTO ROSARIO E O TERÇO DA DIVINA VONTADE COM A COMUNIDADE VOTUNTAS TUA
19/03
NOVAS PROGRAMAÇÕES AO VIVO NA RADIO DIVINA VONTADE ..COM A SUA PARTICIPAÇÃO PELO WATSAP NOS AGUARDEM.
15/04
MOMENTO DE ORAÇÃO AO VIVO NA DIVINA VONTADE PARA SUA ALMA. FIQUE POR DENTRO SOBRE A DIVINA VONTADE AQUI NA RADIO DIVINA VONTADE
WhatsApp (38)998021872
Bate Papo

Digite seu NOME:

Banner Lateral 01
Banner Lateral 02
Banner Lateral 03
Banner Lateral 04
RONEI
Estatísticas

Visitas: 7364

Usuários Online: 1021

Testemunhos

Adicionar
testeDEIXE AQUI AS SUAS PARTILHAS DE VIDA...
Mural

Enviar mensagem

Flávia Barella

Louvo e agradeço a Deus por esta rádio pois através de...

Monica

Pela minha família... Por favor qual é o nome desta can&ccedi...

Ruth

Obrigada Jesus por essa rádio obrigada pela tua Divina Providê...

Fabricio Nunes

Toda equipe do site está de parabéns pelo belo trabalho, cont...

Sandro

Parabéns a Toda Equipe do Site! Agora é noticia em tempo real...

Bento Junior

Parabéns\r\nSucesso!!!\r\nVoces estao de parabéns pela inicia...

Tamiris

vcs estao de parabéns!! adorei o novo site estar masa pricipalmente ...

No Ar
Top Música
1
Bruno conceiçãoOs 4 Cantos da Casa
2
OdeteSou Fé
3
ReginaldoO Amor
4
Odete e LadirMe Ensina Ser Tua Filha
5
Aline ConceiçãoAlma Limpa
Ouvinte do Mes
testeTESTE
VISÕES DE MARIA VALTORTA

BIOGRAFIA DE LUISA PICARRETA

A Virgem Maria e o Diabo

Parceiros
testetestetesteNOSSOS PARCEIROS
RÁDIO DIVINA VONTADE - BALNEARIO CAMBORIU - SC
Copyright (c) 2022 - Rádio Divina Vontade - Todos os direitos reservados
Olá Seja Bem Vindo !! Somos da Rádio Divina Vontade !! Em que possamos Ajudar?
site, tv, videos, video, radio online, radio, radio ao vivo, internet radio, webradio, online radio, ao vivo, musica, shows, top 10, music, entretenimento, lazer, áudio, rádio, música, promocoes, canais, noticias, Streaming, Enquetes, Noticias, mp3, Blog, Eventos, Propaganda, Anuncie, Computador, Diversão e Arte, Internet, Jogos, Rádios e TVs, Tempo e Trânsito, Últimas Notícias, informação, notícia, cultura, entretenimento, lazer, opinião, análise, jogos, Bandas, Banda, Novos Talentos, televisão, arte, som, áudio, rádio, Música, música, Rádio E TV, Propaganda, Entretenimento, Webradio, CD